Monthly Archives: Outubro 2011

Exposição quadrada, só na Galeria Ao Quadrado!

(Em Santa Maria da Feira, perto da Câmara Municipal.)

www.ao-quadradogaleria.com

Anúncios

4º encontro nacional de ilustração

Durante as minhas (poucas) compras do mês no shopping em S. João da Madeira, encontrei uma encantadora exposição de ilustração infantil! Pena não ter máquina fotográfica!

www.quanrtoencontroilustração.com

A frebre do corte-e-recorte

Ontem, fiquei estupefacta ao ver um documentário na RTP2 sobre a (grande) artista portuguesa Ana Vidigal. Até gravei e tudo! Todo o documentário mostrava a montagem da sua série “Menina Limpa/ Menina Suja” e a intimidade da sua casa-atelier, onde a artista dava a conhecer o seu processo criativo, com desenho e colagem.

Sem grandes demoras e texto, aqui estão alguns dos seus grandes quadros:


(o seu estonteante diário gráfico)

Faltou-me dizer que no fim de tudo só me apeteceu agarrar numa enorme tesoura, resmas e resmas de papel, um balde (não de massa mas) de cola branca para fazer trincheiras! É a febre!

Ana Vidigal (que corta e recorta) é o ABC da reciclagem, o IKEA Português, é a solução artística para a crise. Com ela, tudo serve! Até pratos…

 http://anavidigal.blogspot.com/

Robert Del Naja

E por falar em Massive Attack, um dos seus membros, Robert Del Naja, foi inicialmente conhecido como o graffiter “3D”, antes de se juntar à banda. Os seus graffitis,  influenciados por Basquiat, foram inseridos num movimento urbano em Bristol e resistem à sua comercialização apesar de ter sido muito cobiçada nos arredores. Mesmo após a banda continuou a fazer a sua arte, como modo de comunicar o seu grande sentido de protesto – muitas das suas obras foram usadas como capas de álbuns dos M.A.

Como tal, deixo algumas obras suas que aprecio e um site recheado de trabalhos do artista.

 

 www.red-lines.co.uk

Massive Attack

Numa época em que a pornografia se sobrepõem à indústria da música, apresento-vos os Massive Attack, que são totalmente o oposto.

Massive Attack é uma banda inglesa formada na cidade de Bristol em 1988 pelos seus membros Robert Del Naja e Grant Marshall, que instituíram o trip hop, uma sonoridade lenta e desacelerada, juntamente com electrónica, soul e new wave. Quando se ouve as suas melodias, muito lentas, sente-se o transe e o sentido das palavras que vão sendo aclamadas de forma intensa – do criador para o ouvinte – como uma mensagem ou até mesmo um manifesto que se vão tornando boas ou más, dependendo de cada interpretação. As suas letras têm sempre carácter de protesto socialista, onde podem ocorrer temas que nos dias de hoje ainda se abordam, como o aborto, retratado intimamente em “Teardrop”.

É claro que nem toda a gente aprecia este estilo musical mas deixo a proposta em aberto para quem estiver disposto a conhecer. Recomendo totalmente!

 

 

 www.massiveattack.com